18 de nov de 2010

O segredo de Juju

“Mas que jeito de acordar”

- Sai daqui Sinfonia, quem te deixou entrar em casa? De quem é esse sapato na sua boca? Aposto que o namorado da mãe ta aqui. Rói bem, Sinfonia, até a sola, depois eu pago teu veterinário.

“Cadela desgraçada, fez xixi no meu tapete e eu obviamente pisei em cima. Espero não ver a mulher do meu chefe dizendo ‘veja pelo lado bom, pelo menos pisou com o pé direito’’.

- Chuleta Cristinaaa. A Sinfonia ta aí? Ela escapou da corrente e roubou meu sapato novo.

- Fernandoooo (porque os namorados da mãe têm nomes normais?), ela está sim, são R$ 200,00 na boca dela. Isso é só pra aprender a não tirar sarro do meu nome.

- Cris, por favor!

- Nando, tô morrendo de pena do jacaré.

- Que jacaré?

- Aquele que deu origem ao teu chinelo.

- Chinelo?

- Sim, tem a sola e as tiras. Seria um chinelo, não?

“Adoro cadela que sabe pular janela, adoro rimas. Fica divertido tirar sarro dos outros. A mulher do meu chefe diria que tudo que acontece na sua vida é você quem atrai. Só vou atrair felicidade. Aquela festa me deu ânimo, vou ligar pro trabalho dizendo que estou doente e fazer uma mega produção para o reencontro com o Alessandro”.

- Cadê meu celular? SINFONIA! DEVOLVE ISSO! Eca, que nojo essa coisa babada. Quando eu disse que queria um cachorro igual ao Beethoven não imaginei que ia ser parecido ao ponto de ser surdo. Pelo menos é uma cadela.

- Alô... chefe? (“Ta ruim isso, preciso enfraquecer a voz”).

- Julieta Cristina, não me chame de chefe, eu tenho nome e, por ser seu superior, tenho um pronome de tratamento.

(“Idiota... Calma Cris, você tem que ficar calma”).

- Desculpe Dr. Roque (“Ele vai achar que to morrendo agora com essa voz”).

- Agora sim. O que deseja?

- Eu não estou me sentindo bem hoje...

- Hum. E...?

(“Ameba, eu devo ter grudado Jesus na cruz usando Superbonder pra merecer esse chefe”).

- E aí que eu não tenho condições de trabalhar, vou procurar um médico, nunca faltei trabalho, né, chef... Dr. Roque? (“Fecha os olhos, acredite Cris, ele vai deixar”).

- Tudo bem, Julieta.

- Feitooo.. opa.. er... é.. Obrigada! (“E obrigada à mulher do chefe por me ameaçar com “O Segredo”. Dá certo, dá certo, é só acreditar”).

- Mas veja, Julieta...

- Sim? (“lá vem”)...

- Se você estiver melhor à tarde, venha trabalhar, ok?

- Vou sim! (“Aham, nem eu acreditei”).

- Lembrando que vai ser descontado do seu salário.

- Mas Doutor...

- Fique bem Julieta, minha mulher diria que somos conseqüência do que fizemos.

(“Começando a odiar ela”).

- Tu-tu-tu-tu-tu...

Ta bom, telefone, já entendi que ele desligou.

Ah, xiriguidum, o telefone tocando e é o Alessandro. Nervosa mode ON. Só de pensar que hoje à noite vou ver ele, então... Ai. Espera, primeiro atende.

- Oi Alessandro!

- Oi Cris, tudo bem?

- Tudo, e com você?

- É exatamente por isso que te liguei!

Ai!

- Fale

- Eu não estou me sentindo bem hoje...

- Já entendi.

Já fui entendendo e desligando o telefone. Eu odeio a mulher do meu chefe e O Segredo. Tudo que acontece na vida é você que atrai!

1 comentários:

Hugo Pires Teixeira (@hugopt) disse...

Tô acompanhando de perto o blog de vcs, tá muito bom.
Queria perguntar como vcs fizeram esse design de caderno no blog, ficou muito legal.
Abraço
@hugopt
Sem Anestesia. www.hugopt.blogspot.com