2 de ago de 2011

Meu querido diário

Sonhei que eu tinha um bebê.
Ele era lindo, saudável, carinhoso e muito sapeca. Brincava, tentava conversar, comia de tudo, um show de criança.
Mas por causa dele eu não tinha mais vida além da vida de mãe. Tive que pedir demissão do emprego, o salário não me permitia pagar creche ou babá – que precisa assinar carteira, sendo que eu não tinha carteira assinada. Meu namorado (o do sonho) cumpria muito bem seu suposto papel de pai: supria as necessidades da casa, pagava as contas e tal, dava um beijo na criança de vez em quanto e me convidava pra sair, já sabendo que eu não poderia por não ter com quem deixar o bebê.
Deixei a faculdade, parei de sair com os amigos e estes deixaram de me visitar ou me ligar, já que eu não conseguia dar a devida atenção à conversa enquanto a cria brincava, corria, enchia a fralda ou dava pitís de sono.
Meu dia não rendia, ficava entre panelas, roupas sujas e a casa, que obviamente precisa ficar limpa quando há uma criança em casa, principalmente o chão em que ela pisa, deita, lambe e esperneia. Quando a noite chegava eu punha meu bebê para dormir, tomava um banho, comia alguma coisa e deitava, podre de cansada, aí vinha o namorado recém-chegado da academia e me acariciava em busca de sexo. Com que ânimo ele esperava que eu me entregasse? De onde viria o desejo? A excitação seria decorrente de uma fralda suja ou de uma camiseta vomitada?
Comecei a me sentir feia. Não tinha tempo para exercícios, manicures ou cabeleireiro, passei a fazer minhas unhas quando um cochilo do pequeno permitia, pintava o cabelo em casa e lembrava com saudade da depilação com cera quente em um salão de beleza.
Eu perdi o contato com o mundo, não tinha assunto para conversas que não envolvessem a Casa do Mickey ou o Urso Agente Especial. Sabia todos os prós e contras de cada marca de fralda, lenço umedecido e sabonete baby, mas não tinha com quem compartilhar. Sabia os benefícios e formas divertidas de preparar legumes e verduras para refeições infantis, mas continuava comendo sozinha.
Acordei assustada. Olhei para os lados e não vi qualquer objeto que remetesse à presença de uma criança. Nenhuma chupeta ou mamadeira, nenhum brinquedo ou meia sem par pelo chão. Estava sozinha na cama, alívio total e imediato. Sem namorado insensível, até porque eu não tenho namorado.
A impressão de amor imenso deixou um gosto amargo na minha boca. Tive uma pequena amostra da delícia que é ser mãe, mas por enquanto acho o preço alto demais.

1 comentários:

Marcos Gui-Gui disse...

Emocionante! Excelente! Sem palavras!
Não, sério! Foi de arrepiar, mesmo. Até porque... sei lá, fiquei sem ter o que dizer...